Notícia 16/08/2017

SP: Cremesp - Irregularidades em hospitais para tratar usuários de droga

Centro médico fechado, falta de profissionais, equipamentos e documentação foram alguns dos problemas encontrados em fiscalização do Conselho Regional de Medicina. 
O Conselho Regional de Medicina de São Paulo (CREMESP) fiscalizou os hospitais psiquiátricos conveniados ao programa municipal Redenção, política criada pelo prefeito João Doria para usuários de drogas na cidade, e encontrou diversas irregularidades no serviço. 
Um relatório apontando os problemas será entregue à Prefeitura nos próximos dias. A informação é da GloboNews. 
“Nós esperamos que a Prefeitura de São Paulo trate esse problema dos usuários da Cracolândia de uma forma sistêmica, articulada entre as várias profissões da saúde mental, com um ancoramento psicossocial que impeça com que esses pacientes, depois da alta hospitalar, seja por alta a pedido ou por alta médica, eles mantenham uma linha de tratamento que assegurará que eles não retornarão à vulnerabilidade social da qual são egressos e que os levaram à Cracolândia da Sé”, disse o presidente do conselho, Mauro Aranha. 
Dentre os problemas, o documento aponta que há apenas um médico presente diariamente no Hospital Cantareira. A ala da internação tem somente um posto de enfermagem - ambos os serviços estão fora do padrão determinado pelo Ministério da Saúde. 
Os prontuários do centro médico analisados estavam sem a documentação que comprova que os pacientes foram internados por vontade própria e não compulsoriamente. 
A Secretaria Municipal da Saúde informou que "não teve ainda acesso ao relatório do Cremesp, porém, esclarece que nenhuma das internações/encaminhamento para tratamento em dependência química realizadas pelo Programa Redenção se deu de forma involuntária ou compulsória". 
No caso do Centro Hospitalar São João de Deus, os pacientes não recebiam encaminhamento após finalizarem o tratamento. Também foi identificado na sala de emergência a ausência de ventiladores mecânicos e outros equipamentos fundamentais para atendimento de casos críticos. 
O Conselho ainda constatou que a Casa de Saúde Nossa Senhora do Caminho, supostamente responsável pelo atendimento, está fechada. A pasta informou que "não tem nenhum convênio firmado com unidade de saúde fechada". 
Para o o coordenador do programa Redenção, Arthur Guerra, "de grosso modo, os hospitais trabalham de forma eficiente e adequada para uma população muito difícil". "[os pacientes]Tem um grau de dependência química altíssimo, que não tem família, que não tem emprego, que não tem amor próprio, que tem uma doença grave, muitas vezes com um quadro de depressão junto, então para o cenário negativo que existe, os hospitais trabalham de forma muito boa, as vezes razoável, precisando de alguns ajustes", completa. 
Em nota, o Hospital Cantareira informa que ainda não foi notificado pelo CREMESP, portanto, desconhece o conteúdo do relatório citado. 
O texto ainda diz que o quadro de funcionários atual da Instituição "é suficiente para o atendimento do volume de pacientes internados na unidade, que possui uma equipe multiprofissional para o tratamento de dependentes químicos" e que a unidade "possui mais de um médico por período, portanto, está dimensionada além do mínimo previsto pela Portaria MS/GM no. 251/2002, bem como o corpo de enfermagem encontra-se dimensionado acima do mínimo previsto." 
O Hospital afirma ainda que os pacientes internados na unidade assinaram na admissão o Termo de Anuência de Internação Voluntária, "portanto, não houve nenhuma internação involuntária ou à força no período".

Fonte: (G1)

Total de visita(s): 202

Usamos os cookies e dados de navegação visando proporcionar uma melhor experiência durante o uso do site.
Ao continuar, você concorda com nossa Política de Privacidade.

Usamos os cookies e dados de navegação visando proporcionar uma melhor experiência durante o uso do site. Ao continuar, você concorda com nossa Política de Privacidade.