Notícia 18/04/2018

MT: Seminário debaterá transtornos mentais relacionados ao trabalho

Evento, que está sendo organizado pelo Cerest com apoio do Ministério Público do Trabalho, está com inscrições abertas 


Cuiabá sediará no dia 03 de maio de 2018 o 1º Seminário Mato-grossense de Transtornos Mentais Relacionados ao Trabalho. O evento está sendo organizado pelo Centro de Referência Regional de Saúde do Trabalhador (Cerest), da Secretaria de Estado de Saúde (SES/MT), por meio da Coordenação de Saúde do Trabalhador, e tem o apoio do Ministério Público do Trabalho (MPT/MT). 
O evento ocorrerá das 8h às 18h, no auditório do Ministério Público Estadual (MPE), e tem como público-alvo profissionais da rede de atenção em saúde mental, profissionais dos Cerests Regionais, Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), sindicatos e profissionais de órgãos como o Ministério do Trabalho e Emprego (MTE/MT) e MPT/MT. 
As inscrições deverão ser encaminhadas para o e mail: seminarotm2018@outlook.com. Outras informações poderão ser obtidas pelo telefone: (65) 3322-6177. 
De acordo com o 1º Boletim Quadrimestral sobre benefícios por incapacidade de 2017, divulgada pela Secretaria de Previdência do Ministério da Fazenda, no Brasil os transtornos mentais e comportamentais foram a terceira causa de incapacidade para o trabalho, totalizando 668.927 casos. Também totalizaram cerca de 9% do total de auxílios-doença e aposentadorias por invalidez concedidas entre os anos de 2012 e 2016. 
Em Mato Grosso, segundo o coordenador de Vigilância em Saúde do Trabalhador da SES/MT, Paulo Lima da Silva Filho, a subnotificação é um fator limitante para o desenvolvimento de ações que minimizem essa situação. A última informação é de que entre o período de 2008 a 2016 foram registradas apenas 24 notificações. “Estudos demonstram ainda que foram concedidos somente 8% de auxílios-doença relacionados ao trabalho”, pontua Paulo Lima. 
Durante o seminário serão discutidos os transtornos mentais relacionados ao trabalho bem como a complexa articulação da organização do trabalho, a exemplo da divisão e parcelamento das tarefas, as políticas de gerenciamento das pessoas, assédio moral no trabalho e a estrutura hierárquica organizacional. 
“Situação cada vez mais presente na vida da população brasileira, porém há dificuldade de identificar o nexo causal entre a doença e o trabalho”, observa o coordenador, considerando o evento mais um instrumento de fortalecimento da vigilância a saúde do trabalhador.

Fonte: (Midia News)

Total de visita(s): 155