Notícia 16/08/2017

MS: Pacientes 'deixam' corredores da Santa Casa de Campo Grande

Atendimento no limite da capacidade da maior unidade de saúde de MS ainda causa reflexos no Hospital Universitário. 
Os corredores da Santa Casa de Campo Grande já não recebem pacientes há 10 dias e também não tem mais internações no centro cirúrgico impedindo novos procedimentos. Mas o atendimento no limite da capacidade ainda causa reflexos no Hospital Universitário. 
A área vermelha do pronto-socorro, onde ficam os pacientes mais graves, continua lotada. Os oito leitos estão ocupados. O setor amarelo também está cheio. 
“Com essa resolução desse quadro, o hospital girando dentro da sua capacidade instalada. Quer dizer: o tanto de paciente que eu recebo, eu consigo operar e consigo encaminhar para as enfermarias ou CTI, o fluxo anda”, afirmou a diretora técnica Santa Casa, Ana Tereza Martins de Alcântara. 
O Hospital Universitário que sentiu os reflexos da lotação na Santa Casa, continua atendendo acima da capacidade. Hoje à tarde, 26 pacientes estavam no corredor do pronto atendimento. As áreas vermelha e amarela também estavam com todos os leitos ocupados. 
A direção do maior hospital de Mato Grosso do Sul vai continuar mantendo o controle de entrada no pronto-socorro. A medida é um acordo com a Secretaria Municipal de Saúde de Campo Grande para o hospital receber somente pacientes regulados. 
“Nós somos um hospital de média e alta complexidade. A baixa complexidade que são as coisas simples, o definho quebrado, a gripe, a febrinha, isso é serviço, atribuição dos postos de saúde vinte e quatro horas e dos hospitais de baixa complexidade”, afirmou a diretora. 

Fonte: (G1)

Total de visita(s): 255

Usamos os cookies e dados de navegação visando proporcionar uma melhor experiência durante o uso do site.
Ao continuar, você concorda com nossa Política de Privacidade.

Usamos os cookies e dados de navegação visando proporcionar uma melhor experiência durante o uso do site. Ao continuar, você concorda com nossa Política de Privacidade.