Notícia 08/05/2017

MS: Saúde nas empresas

Como diminuir gastos e aumentar a competitividade? 
Questões relacionadas à gestão de SST (Segurança e Saúde no Trabalho) são cada vez mais relevantes na agenda empresarial. Pesquisa recente realizada pelo Sesi (Serviço Social da Indústria) com 500 executivos de recursos humanos de médias e grandes indústrias aponta que mais de 70% das empresas dão uma importância alta ou muito alta para esse tema. Dentre as principais razões para se investir em saúde nas empresas, está o ganho econômico, ao reduzir custos com acidentes, afastamentos e perda de produtividade. 
Mas para se obter resultados significativos, é necessário que as empresas realizem um diagnóstico dos fatores de risco do ambiente laboral e dos hábitos de seus trabalhadores. A partir da identificação dessas informações, deve-se elaborar um plano de ação, com definições de prioridade e das iniciativas com maior potencial de retorno. 
Ao desenvolver esse plano de segurança e saúde no trabalho, as companhias devem levar em conta, pelo menos, sete aspectos econômico-financeiros: 
1. O impacto da tributação variável do SAT (Seguro Acidente de Trabalho) ou o Grau de Incidência de Incapacidade Laborativa por Riscos Ambientais do Trabalho, provocado pelo FAP (Fator Acidentário de Prevenção). O FAP é calculado de acordo com a sinistralidade em relação aos acidentes de trabalho e afastamentos previdenciários do tipo acidentários. Isso significa que, quanto mais acidentes e afastamentos pelo INSS por esse motivo, maior será a tributação para a empresa; 
2. A sinistralidade anual e a inflação médica aplicadas em planos de saúde, que juntas promovem frequentemente reajustes muito superiores aos índices inflacionários vigentes; 
3. A obrigatoriedade de manter aposentados e demitidos na apólice de saúde suplementar da empresa, sob certas condições contratuais, o que aumenta a sinistralidade e consequentemente os custos; 
4. O sistema previdenciário que, por ocasião de concessão de aposentadoria, usualmente obriga manutenção da assistência à saúde ofertada ao empregado e onera o resultado de toda a apólice de saúde suplementar das empresas; 
5. As perdas financeiras e de produtividade com o absenteísmo; 
6. Um ambiente de maciça e rotineira judicialização que leva a uma insegurança jurídica, bem como à elevação de custos com honorários processuais e periciais; 
7. Os riscos associados às ações regressivas, previstas em lei, por meio da qual a empresa, culpada pelo adoecimento ou acidente de trabalho, deverá ressarcir os cofres da previdência social. 
Nesse sentido, entender que tipos de compromissos financeiros a empresa irá ter com saúde e segurança é fundamental para a sustentabilidade do negócio. Por isso, as ações de promoção de saúde nas empresas vêm se tornando cada vez mais estratégicas para as companhias. Afinal, no fim, todos ganham: a indústria, as organizações, os trabalhadores, a sociedade, a previdência, a economia e é claro, o país.

Fonte: (Marcos Tadeu de Siqueira - Campo Grande News)

Total de visita(s): 174