Dica de Saúde 07/04/2022 09:50

Sono de elite: as pessoas que dormem até 6 horas por noite sofrem menos demência, entenda

Estudo mostra que minoria com mutação genética consegue repousar de 4 a 6 horas com saúde e menos risco da Alzheimer

RIO — Dormir pouco está associado a inúmeros prejuízos para a saúde física e mental. É durante o sono que o organismo se regenera e elimina toxinas do cérebro e de outras partes do corpo. Para realizar esse processo, são necessárias de sete a nove horas de descanso por dia. Mas pesquisadores do sono da Universidade da Califórnia, em São Francisco, identificaram genes que possibilitam que algumas pessoas durmam de quatro a seis horas diárias sem prejudicarem a sua saúde. E mais, esses genes podem desempenhar um papel importante na prevenção de demências, como o Alzheimer.

Saúde sexual:  'A mulher não precisa sofrer com a baixa de libido da menopausa, tem tratamentos', diz médica

Por tempo limitado: Proteção da quarta dose da Pfizer contra Ômicron cai drasticamente em um mês, mostra estudo

Banho sem passar sabão: Entenda por que um médico americano que aderiu à prática

Os resultados do estudo publicado na revista científica Cell iScience mostram que mutações genéticas transportadas pelos chamados "dorminhocos de elite" retardaram o acúmulo de proteínas tóxicas no cérebro — uma marca registrada do Alzheimer. A ligação entre sono e demência foi estabelecida há anos, com estudos sugerindo que a má qualidade ou o pouco tempo de descanso aumenta o risco para a condição.

Esses genes são encontrados em até 3% da população mundial, acreditam os cientistas. Personalidades como o ex-presidente Donald Trump, o empresário Elon Musk e o ator Dwayne 'The Rock' Johnson já relataram que dormem pouco (entre três e seis horas por noite) e sentem-se bem. Eles provavelmente são "beneficiados" pelos genes estudados e são considerados os "dorminhocos de elite".

Os cientistas estudaram a genética por trás dos "dorminhocos de elite". O trabalho foi realizado ao longo de uma década com os pesquisadores rastreando pessoas com Sono Curto Natural Familiar e genes associados ao padrão de sono. Eles observaram que as pessoas que dormiam apenas quatro a seis horas e ainda podiam "funcionar plenamente durante o dia". Esses padrões também foram vistos em suas famílias.

A equipe de cientistas identificou cinco genes em todo o genoma que afetam os padrões de sono — e preveem que muitos mais ainda serão descobertos. Dentre eles, escolheram duas mutações genéticas chamadas de DEC2-P384R e Npsr1-Y206H para analisar na segunda parte do estudo. Os genes DEC2 e NPSR1 estão ligados a um acúmulo mais lento de placas amiloides e a uma redução na "patologia tau", ambas ligadas à demência.

Para o experimento final, foram criados dois grupos de camundongos com predisposição para a doença de Alzheimer, a forma mais comum de demência. Os animais de laboratório possuíam também um dos dois genes em estudo. Analisando os cérebros dos camundongos após três e seis meses, os cientistas descobriram que os roedores com os genes do sono curto tinham menos proteínas anormais que contribuem para o Alzheimer, em comparação com um grupo de controle.

Nesse estudo, os pesquisadores encontraram genes específicos que podem, no futuro, ajudar prevenir a demência em toda a população. Os autores do estudo esperam que suas descobertas possam levar ao desenvolvimento de novos medicamentos e evitar condições como a demência.

Embora estimem que possa levar uma década para desenvolver novos tratamentos com base em suas pesquisas, os pesquisadores destacam que um dos genes identificados pode ser alvo de remédios já existentes. Isso significa que os medicamentos podem ser reaproveitados para ajudar a evitar a demência, que é mais rápido do que desenvolver um novo medicamento do zero. 

Recentemente, pesquisadores da Universidade da Califórnia identificaram outra característica positiva dos que dormem pouco: por questões genéticas eles apresentam sinais  de impulsividade e motivação por recompensas, ferramentas que contribuem para o sucesso profissional.  

Mas não dormir o suficiente, independente da quantidade de horas, tem sido associado por sua vez a uma série de outras condições, como obesidade, doenças cardíacas, pressão alta e diabetes. No entanto, especialistas debatem cada veza mais que qualidade do sono tem extrema importância. Entenda-se por qualidade não ter o sono interrompido e acordar disposto.

Incidência de luz prejudica saúde do coração

Um estudo da Northwestern Medicine apontou que dormir em um quarto com iluminação moderada prejudica a função cardiovascular durante o sono e aumenta sua resistência à insulina na manhã seguinte.

Problema causado por substância do aroma:  Pipoca de micro-ondas em excesso pode causar Alzheimer, mostra estudo da USP

Os resultados demonstram que apenas uma única noite de exposição à iluminação moderada, como a luz da televisão, durante o sono pode prejudicar a glicose e a regulação cardiovascular, que são fatores de risco para doenças cardíacas, diabetes e síndrome metabólica.

Já existem evidências de que a exposição à luz durante o dia aumenta a frequência cardíaca por meio da ativação do sistema nervoso simpático, que acelera o coração e aumenta o estado de alerta para enfrentar os desafios do dia.

“Nossos resultados indicam que um efeito semelhante também está presente quando a exposição à luz ocorre durante o sono noturno”, disse Phyllis Zee, chefe de medicina do sono da Northwestern Medicine em entrevista ao portal da universidade.

O nosso corpo trabalha com dois sistemas nervosos: o simpático e o parassimpático. Eles são responsáveis por regular a fisiologia do corpo durante o dia e a noite. O simpático assume o comando durante o dia e o parassimpático à noite, quando transmite a restauração para todo o corpo.

Quanto ao aumento de açúcar no sangue, os investigadores descobriram que a resistência à insulina ocorreu na manhã seguinte às pessoas dormirem em uma sala iluminada. Esse problema ocorre quando as células de seus músculos, gordura e vida não respondem bem à insulina e não podem usar a glicose do sangue para obter energia. Para compensar, seu pâncreas produz mais insulina. Com o tempo, o açúcar no sangue aumenta.

Um estudo anterior publicado no Jama Internal Medicine analisou uma grande população de pessoas saudáveis que tiveram exposição à luz durante o sono. Os pesquisadores concluíram que os voluntários estavam mais acima do peso e obesos do que aqueles que não eram expostos a luzes enquanto dormiam.

A exposição à luz artificial à noite durante o sono é comum, seja de dispositivos emissores de luz internos ou de fontes externas ao domicílio, principalmente em grandes áreas urbanas. Uma proporção significativa de indivíduos (até 40%) dorme com a lâmpada de cabeceira acesa ou com a luz acesa no quarto e/ou mantém a televisão ligada.

 

Fonte: (O Globo)

Usamos os cookies e dados de navegação visando proporcionar uma melhor experiência durante o uso do site.
Ao continuar, você concorda com nossa Política de Privacidade.

Usamos os cookies e dados de navegação visando proporcionar uma melhor experiência durante o uso do site. Ao continuar, você concorda com nossa Política de Privacidade.