Dica de Saúde 25/10/2019 16:21

Hérnia de disco: o que é, como se forma, sintomas e como usar exercícios no tratamento

Abordagem médica deve incluir atividades físicas aeróbicas, de resistência e de flexibilidade

Segundo estudo da Organização Mundial da Saúde (OMS), 84% das pessoas têm, tiveram ou terão dor nas costas em algum momento de suas vidas.

Existem diversas causas para a dor lombar, desde patologias simples e autolimitadas, como o estiramento ligamentar e a tensão lombar por má postura, até lesões mais sérias, como fraturas por estresse (comuns em adolescentes) e doenças do disco intervertebral (comum em adultos acima dos 35 anos), como as protusões e as hérnias de disco.

O abaulamento discal ou protusão discal é um processo de desgaste ou perda da elasticidade do disco intervertebral, que é deslocado na direção da medula espinhal e/ou das raízes nervosas, podendo alcançar e tocar uma dessas estruturas, o que causa a dor do paciente. É considerado o processo inicial de uma hérnia de disco; ou seja, se não tratado, certamente vai evoluir para o quadro de hérnia de disco.

Mas, afinal, o que é o disco intervertebral?

 

O disco intervertebral é uma estrutura formada por um núcleo gelatinoso e uma cápsula mais rígida, chamada anel fibroso, que protege esse núcleo. Fica localizado entre as vértebras da coluna e funciona como um "amortecedor", reduzindo o impacto entre as vértebras, por exemplo, quando andamos ou corremos, e permitindo certa mobilização. Quando ocorre um desgaste deste disco intervertebral, acontece o seu abaulamento.

Nessa fase de abaulamento ou protusão, o anel fibroso ainda está intacto, apesar de estar distendido. A hérnia discal surge, principalmente, quando o anel se rompe, permitindo o extravasamento do núcleo.

O abaulamento discal ocorre principalmente entre as vértebras L4 - L5 e L5 - S1. Nesses casos, os seus principais sintomas são a dor lombar e a dor ciática.

Os sintomas do abaulamento discal surgem quando essa protusão do disco pressiona a raiz de algum nervo ou a própria medula espinhal, levando a dor na região acometida, além de outros sintomas típicos de compressão nervosa, como alterações na sensibilidade, dormência, formigamento e até perda de força no membro afetado.

Tradicionalmente, ao se deparar com esta patologia, o médico contraindicava qualquer atividade física, alegando risco de agravo da protusão e dos sintomas. Mas isso tem mudado.

 

Tenho hérnia. Posso praticar esportes?

 

Estudos publicados na ultima década mostraram que a prescrição correta de atividade física em portadores de hérnias de disco sem complicações neurológicas é a pedra angular em seu tratamento, e sua periodização deve se dividir em exercícios aeróbicos, resistidos e de flexibilidade.

 

  • Treino aeróbico

 

Estudos demonstram que exercício aeróbico pode beneficiar portadores de hérnia de disco, pois aumenta o fluxo sanguíneo e os nutrientes para os tecidos moles nas costas, melhorando o processo de cicatrização e reduzindo a rigidez que resulta em dor nas costas. Além disso, 30 a 40 minutos de exercício aeróbico aumentam a produção de endorfinas, substâncias químicas do cérebro que se ligam aos receptores opiáceos no sistema de controle da dor no cérebro e na medula espinhal, para diminuir a percepção da dor. As endorfinas agem de maneira semelhante a drogas redutoras da dor, como morfina e codeína.

  • Treino resistido

 

Pessoas com dor lombar restringem o movimento do tronco para reduzir a dor na área lombossacra; porém, isso apenas reduz ainda mais a força do core e aumenta a instabilidade lombar, resultando em agravo de sintomas. Estudos têm demonstrado que exercícios para ativar os músculos abdominais profundos, incluindo os músculos superficiais, o músculo transverso do abdome e o multífido, são importantes para estas pessoas. Os músculos abdominais profundos são essenciais para apoiar a coluna lombar e o fortalecimento desses músculos pode reduzir a dor nas costas

 

  • Treino de flexibilidade

 

Segundo diversos estudos, uma melhora na flexibilidade lombar pode aumentar a amplitude de movimento da coluna, o que pode ajudar a reduzir a dor nas costas e auxiliar no movimento. O encurtamento do músculo posterior de coxa (isquiotibiais) reduz a amplitude de movimento da flexão do quadril que afeta o movimento lombopélvico, e uma diminuição na flexibilidade dos músculos flexores e extensores das costas e do quadril pode levar à lordose lombar, o que pode resultar em lombalgia. Portanto, a inclusão de exercícios de flexão lombar é importante, pois eles esticam os flexores do quadril e os extensores lombares.

Enfim, com a prescrição correta de um programa de exercícios, é possível manter o indivíduo ativo, com alívio de sintomas e redução do uso de medicações analgésicas, e, consequentemente, mais saudável.

Lembrando que todos os indivíduos devem passar por uma avaliação pré-participativa com um médico do esporte de confiança, e a prescrição de exercícios deve ser feita de maneira individualizada, preferencialmente em conjunto com um cirurgião de coluna e um profissional de Educação Física.

 

Fonte: (EuAtleta)