Dica de Saúde 05/06/2019 13:58

Benefícios da caminhada: quanto mais passos diários, melhor para a saúde da mulher madura

Estudo mostra que andar no mínimo 4.400 passos por dia pode alongar a vida das mulheres com mais de 45 anos

Pesquisa apoiada pelo NIH (Ministério da Saúde dos Estados Unidos) mostram que o simples fato de andar no mínimo 4.400 passos por dia poderia alongar a vida das mulheres com mais de 45 anos. Esse trabalho científico foi publicado online na revista JAMA Internal Medicine. Nele, foi claramente informado que o risco de morte caiu com o aumento do número de passos por dia até chegar a 7.500 passos diários, número a partir do qual os benefícios se mantém, mas sem aumentos significativos.

O que se pôde concluir por essa pesquisa é que, pela primeira vez, conseguiu-se avaliar a associação entre a intensidade dos passos e os resultados de saúde a longo prazo, e se descobriu que a intensidade da caminhada não parece ter impacto na mortalidade. As conclusões também alteram a crença generalizada de que só acima de dez mil passos por dia ocorre benefício para a saúde. Não há pesquisa que suporte esse número e vale lembrar que as diretrizes de atividade física norte-americana de Saúde e Serviços Humanos para 2018 usam minutos em vez de etapas de caminhadas. Recomenda-se exercícios físicos de intensidade moderada de 150 minutos por semana, incluindo caminhada rápida.

+ Conheça o Strava, app que une atletas de 32 esportes, da corrida à ioga, da natação à caminhada
+ Estudo confirma que conhecer os benefícios do exercício aumenta dedicação à atividade física

 

Para se ter uma ideia melhor da associação entre passos diários e benefícios para a saúde, os pesquisadores analisaram dados de um subgrupo de mulheres que participaram do Women's Health Study, com mulheres com idades acima 45 anos. A análise conseguiu incluir 16.741 mulheres cujos dados de etapas das caminhadas foram registradas pelo acelerômetro ActiGraph. As mulheres incluídas tinham uma idade média de 72 anos e uma contagem média de 5.499 passos por dia. Os pesquisadores as seguiram por uma média de 4,3 anos, período durante o qual morreram 504 mulheres do grupo.

Após ajustes estatísticos para idade, tempo de uso do ActiGraph, tabagismo, uso de álcool , saúde geral e dez fatores relacionados ao risco de câncer ou doença cardiovascular, o risco de mortalidade por todas as causas diminuiu significativamente com o aumento do número de passos por dia.

Em comparação com mulheres que andaram menor número de passos por dia (media de 2.718 passos), as que andaram 4.363 passos diários tiveram 41% de redução no risco de mortalidade por todas as causas. Essa redução de risco chegou a 46% entre as mulheres que realizaram 5.905 passos/dia e 58% entre as que realizaram mais etapas de caminhadas, em média com 8.442 passos/dia.

Atenção: o risco de mortalidade por todas as causas diminuiu progressivamente em 15% para cada mil passos adicionais por dia. No entanto, este benefício se estabilizou em cerca de 7.500 passos. Análises sugerem que a intensidade do passo teve pouco efeito sobre a mortalidade. Ou seja, o número de passos percorridos pode ser mais importante para afetar o risco de morte em mulheres com idades mais avançadas do que a sua intensidade.

*As informações e opiniões emitidas neste texto são de inteira responsabilidade do autor, não correspondendo, necessariamente, ao ponto de vista do Globoesporte.com / EuAtleta.com.

Fonte: (EuAtleta)