Notícia 22/03/2017

PIB de 2018 pode crescer acima de 3%, diz Meirelles

 

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, afirmou nesta terça-feira (21) que o PIB (Produto Interno Bruto) crescerá 2,7% no último trimestre de 2017 e que o crescimento da economia brasileira no ano que vem superará 3%. 
A previsão anterior para o crescimento do último trimestre deste ano na comparação com mesmo período do ano passado era de uma alta de 2,4%. 
A previsão oficial da equipe econômica para o crescimento em 2017 é de 1%, mas a expectativa é que esse número seja revisado para baixo nesta quarta (22), quando o Ministério do Planejamento divulga seu relatório de receitas e despesas. 
"A Secretaria de Política Econômica ainda está fazendo cálculos", afirmou o ministro. "As projeções do mercado estão mudando muito, para baixo mas também para cima". 
Sobre o contingenciamento de despesas da União, que também será anunciado nesta quarta, o ministro declarou que o total a ser bloqueado será decidido até amanhã. 
"Evidentemente que é na arrecadação que estamos trabalhando nestes últimos dias. Estamos finalizando os cálculos para ver quanto vamos arrecadar no leilão de petróleo e gás e quais as melhores estimadas para a repatriação", disse. 
Meirelles declarou também que a equipe econômica estuda a correlação entre crescimento do PIB e da arrecadação. 
Sobre aumento de impostos, o ministro declarou que o tema ainda está em debate, mas reafirmou que, se necessário, essa medida será tomada. 
"Nosso compromisso é cumprir a meta de resultado primário. Um deficit ainda alto, mas menor do que ano passado", disse. "Vamos analisar aquilo que é concreto" 

Fonte: (Maeli Prado - Folhapress)

Total de visita(s): 262

Usamos os cookies e dados de navegação visando proporcionar uma melhor experiência durante o uso do site.
Ao continuar, você concorda com nossa Política de Privacidade.

Usamos os cookies e dados de navegação visando proporcionar uma melhor experiência durante o uso do site. Ao continuar, você concorda com nossa Política de Privacidade.