Notícia 02/06/2017

MS: Maternidade ameaça fechar 10 leitos de UTI neonatal

Maternidade Cândido Mariano alega dificuldades financeiras e suspensão de repasse do governo do estado. 
Dez leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) podem ser fechados até o fim de junho na Maternidade Cândido Mariano, em Campo Grande. O hospital tem a maior unidade neonatal de Mato Grosso do Sul e faz, em média, 9 mil partos por ano. 
O hospital alega dificuldades financeiras e diz que a suspensão de um repasse mensal de R$ 200 mil do governo do estado, desde dezembro de 2016, contribuem para o fechamento de leitos. 
A direção da maternidade enviou um ofício, na semana passada, para as secretarias estadual e municipal de saúde, Conselho Regional de Medicina e Ministério Público, informando sobre o fechamento dos leitos e que isso poderia acontecer no prazo de 30 dias, caso nenhuma providência fosse tomada. 
A secretaria municipal de saúde informou que não foi notificada oficialmente sobre o caso, mas vai analisar como interferir para que os leitos não sejam fechados. 
Já a secretaria estadual de saúde disse que tenta resolver a situação, mas confirmou que o repasse foi suspenso. O motivo, segundo a secretaria, é que a maternidade não estaria cumprindo metas previstas no contrato. 
O diretor-técnico da unidade Daniel Miranda explica que os dez leitos que podem ser fechados são da nova unidade neonatal e recebem mais de 60 bebês por mês. Os 26 leitos de UTI recebem cerca de 350 prematuros anualmente. 
A nova unidade foi construída há um ano e meio e, para funcionar, houve um acordo para financiamento por parte do estado e município, por isso, cada um repassa R$ 200 mil por mês. 
Segundo a direção, muitos equipamentos da nova unidade são alugados e, por conta do atraso no repasse, nem esses pagamentos têm sido feitos. Outra consequência é que os salários de alguns médicos estão atrasados. 
O Conselho Regional de Medicina disse que vai acompanhar de perto a situação.

Fonte: (G1)

Total de visita(s): 146