O envelhecimento da população e o desafio do mercado da saúde

02/08/2018 | 08:02

 

Se­gun­do o IB­GE, em 2060 mais de 25% da po­pu­la­ção te­rá mais de 65 anos e os jo­vens se­rão ape­nas 13,9%. Em 40 anos, se­re­mos um pa­ís de ido­sos. É ne­ces­sá­rio, por­tan­to, que o mer­ca­do da sa­ú­de se pre­pa­re pa­ra aten­der es­se seg­men­to, que de­man­da pro­du­tos e ser­vi­ços es­pe­ci­ais. 
Um dos se­to­res que tem se pre­pa­ra­do ao lon­go dos anos pa­ra aten­der es­sa po­pu­la­ção é o de me­di­ca­men­tos e pro­du­tos ma­ni­pu­la­dos. 
O en­ve­lhe­ci­men­to do me­ca­nis­mo ce­re­bral que ini­be a dor pro­vo­ca dois efei­tos es­pe­cí­fi­cos da ida­de: mai­or tem­po pa­ra a per­cep­ção da dor, o que le­va ao ris­co do ido­so se ex­por ao pe­ri­go por mais tem­po no ca­so de que­das, cho­ques ou quei­ma­du­ras; e o au­men­to da in­ten­si­da­de da dor, pois o ór­gão não con­se­gue mais im­pe­dir o im­pul­so de for­ma efi­ci­en­te. 
Pa­ra cu­i­dar des­se qua­dro clí­ni­co, vá­ri­as me­di­ca­ções são re­cei­ta­das. Aqui en­tram os me­di­ca­men­tos ma­ni­pu­la­dos ao ofe­re­cer a pos­si­bi­li­da­de de as­so­ciar mais de um prin­cí­pio ati­vo nu­ma úni­ca for­mu­la­ção, con­ten­do tu­do que é ne­ces­sá­rio pa­ra o pa­ci­en­te. Is­so evi­ta que o ido­so se es­que­ça de to­mar um ou ou­tro me­di­ca­men­to, além da ga­ran­tia ao mé­di­co de que o tra­ta­men­to é se­gui­do. Ou­tra van­ta­gem é a ade­qua­ção da do­se de acor­do com o pe­so, gê­ne­ro e ne­ces­si­da­des es­pe­cí­fi­cas. 
Ain­da exis­te a op­ção da for­ma far­ma­cêu­ti­ca mais in­di­ca­da ca­so a ca­so: cáp­su­las de di­fe­ren­tes ta­ma­nhos, pas­ti­lhas, go­mas, cre­mes, lo­ções e ou­tras po­dem ser pre­pa­ra­das li­vres de aler­gê­ni­cos ou sub­stân­cias que ge­rem in­to­le­rân­cia, co­mo lac­to­se, glú­ten, co­ran­tes, aro­ma­ti­zan­tes e con­ser­van­tes. 
Ano a ano, o se­tor de far­má­cias de ma­ni­pu­la­ção de­sen­vol­ve so­lu­ções vol­ta­das a es­se e ou­tros pú­bli­cos que de­man­dam a per­so­na­li­za­ção de me­di­ca­men­tos pa­ra o aten­di­men­to de su­as ne­ces­si­da­des. 

Fonte: (Marco Fiaschetti - Diário da Manhã)