PE: Sobe 53% o número de adultos queimados por causa de São João e Copa

27/06/2018 | 09:25

 

Em 2018, Hospital da Restauração recebeu 23 maiores de idade, entre os dias 15 e 26 de junho. No mesmo período de 2017, foram 15 atendimentos de homens e mulheres. 
Desde o dia 15 de junho até esta terça (26), 23 adultos foram atendidos pelo setor de Queimados do Hospital na Restauração (HR), na área central do Recife. O número é 53% maior do que os 15 adultos atendidos pelo mesmo hospital, entre os dias 15 e 27 de junho de 2017, conforme dados divulgados pela unidade de saúde, nesta terça-feira (26). (Veja vídeo acima) 
Além das festas juninas, a Copa do Mundo também é apontada como causa do aumento desse número. No fim de semana em que o Brasil estreou no campeonato de futebol, na Rússia, nove pessoas deram entrada no setor de queimados do HR. 
"Atribuo o aumento de adultos aos jogos que estão acontecendo. As pessoas se acidentaram mais porque utilizaram muitos fogos de artifício. Nas últimas duas Copas do Mundo, a gente também teve um aumento de adultos atendidos", afirmou o médico chefe do setor de Queimados do HR, Marcos Barretto. 
Uma das vítimas de queimaduras por fogos foi a estudante Rebeka Silva, de 20 anos. "Ela foi tentar acender, mas estourou na mão dela. Achamos que ela ia ter alta logo, mas ela não conseguiu fazer o procedimento médico sem anestesia", disse a amiga da paciente, a estudante Maria Rosália Silva. 
Ao todo, 45 pessoas foram atendidas pelo HR no período em questão, uma a mais do que em 2017. "Isso é um aumento grande, porque temos uma média de de seis atendimentos mensais feitos em meses sem uso frequente de fogos e acendimento de fogueiras", afirma o médico. 
Além dos 23 adultos, também foram atendidas 22 crianças no período em questão. Desse total, 7 crianças e 11 adultos permanecem internados devido à gravidade das lesões provocadas pelas queimaduras. 
"Normalmente essa situação é causada por fogos e fogueiras, mas entre esses dois, as queimaduras causadas por fogueiras são as mais graves, porque as lesões são normalmente mais extensas", afirma. 
Uma das pacientes internadas é Júlia Teles Silva, de 2 anos, que caiu em uma fogueira no município de São Caetano, no Agreste pernambucano, no domingo (24). 
"Ela estava brincando na rua quando eu ouvi o grito. Tiraram minha filha rápido da brasa e a gente colocou água gelada, mas ela se queimou mesmo assim na fogueira da vizinha", lamenta a mãe, a agricultora Maria do Socorro Teles. 
As brasas de uma fogueira também provocaram queimaduras em Maria José da Silva, de 66 anos, moradora da Zona Norte do Recife, internada no HR com lesões nas mãos e nos joelhos. 
"Eu ia pegar a brasa da fogueira para colocar bo lugar que estavam fazendo churrasco quando a pá quebrou e eu me desequilibrei em cima da brasa. Agora aprendi com os erros e vou torcer para me recuperar logo e voltar para as minhas atividades", conta a artesã, que depende das mãos para produzir bolsas. 
Cuidado após acidentes 
Um dos alertas feitos pelo médico Marcos Barretto é a respeito das medidas adotadas para aliviar as queimaduras. "Não é adequado usar produtos como manteiga, café ou creme dental, porque isso piora as queimaduras. O ideal é deixar o local queimado extremamente limpo para que a gente possa fazer o tratamento no hospital", afirma.

Fonte: (Marina Meireles - G1)