Com incertezas, previsão para PIB do ano cai a até 1,5%

11/06/2018 | 09:01

 

Analistas descartam elevação de taxas para barrar escalada do dólar 


Algumas das principais instituições financeiras reduziram suas estimativas de crescimento da economia brasileira em 2018 para menos de 2%. 
Segundo analistas, a paralisação dos caminhoneiros levou a um aumento da incerteza, que se traduziu em alta do dólar e queda nos preços de ações, o que freará decisões de consumo e investimento. 
O Bradesco e o Bank of America Merrill Lynch cortaram suas projeções para a alta do PIB (Produto Interno Bruto) de, respectivamente, 2,5% e 2,1% para apenas 1,5%, neste ano. O Itaú Unibanco também mudou seu cenário e agora espera expansão de 1,7%, ante 2% anteriormente. 
As expectativas em relação a 2019 também pioraram. 
Embora a maior parte das estimativas ainda não indique contração da atividade econômica em algum trimestre, o risco de que isso ocorra aumentou, segundo analistas. 
"Existe a possibilidade de algum trimestre [com PIB] negativo em 2018. Isso não configuraria uma nova recessão neste ano. Mas o resultado de 2019 está totalmente em aberto", diz David Beker, chefe de economia e estratégia do BofA Merrill Lynch, no Brasil. 
O movimento de redução das estimativas nos últimos dias é o segundo em menos de um mês. A onda anterior tinha sido provocada pela percepção de que a recuperação tinha perdido o fôlego. 
"Tinha ficado claro que a transmissão dos efeitos positivos da redução dos juros sobre consumo e investimento estava lenta. Aí, veio a greve e elevou as preocupações para outro patamar", afirma Beker. 
A paralisação teve efeitos negativos imediatos, como contração da produção industrial e alta no preço de alimentos. 
A fabricação do setor automotivo caiu, por exemplo, mais de 15% em maio, na comparação com o mesmo mês de 2017, segundo a Anfavea (associação dos fabricantes). 
O fluxo de veículos em estradas com pedágios encolheu 15% em relação a abril, descontados efeitos sazonais. Trata-se da maior queda desde 1999, quando o indicador, calculado pela ABCR (Associação Brasileira de Concessionárias de Rodovias) e a Tendências Consultoria, começou a ser divulgado. 
Antes da greve, o Itaú Unibanco estimava que o PIB teria expansão de 1,1% no segundo trimestre em comparação com o primeiro. Agora, projeta alta de 0,6% no período. 
"Essa queda de 0,5% é o efeito negativo imediato da paralisação, segundo nosso cálculo preliminar", diz Artur Passos, economista do banco. 
Ele ressalta que o balanço dos prejuízos está sujeito a mudanças, já que parte da produção e do consumo suspensos durante a greve pode ocorrer posteriormente. 
Mas a disparada do dólar e dos juros no mercado futuro e a queda dos preços de ações de empresas são sinal de que a incerteza disparou, gerando efeitos que serão duradouros. 
"As taxas de financiamento refletem principalmente os juros futuros e devem subir. Isso vai frear investimentos e o consumo de bens duráveis", diz André Perfeito, economista-chefe da Spinelli Corretora, que reduziu sua projeção de crescimento em 2018 de 2% para 1,6%. 
A situação doméstica é agravada pela expectativa de que os juros subirão a um ritmo mais acelerado nos EUA. Isso tende a provocar migração de investimentos de emergentes para o mercado americano.

Fonte: (Érica Fraga e Nicola Pamplona - Folhapress)