DF: 30% dos medicamentos da farmácia de alto custo estão em falta

05/06/2018 | 08:57

 

Levantamento feito pelo Destak identificou que dos 132 medicamentos de alto custo que são distribuídos pela secretaria de Saúde do Distrito Federal, cerca de 31% estão com seus estoques zerados. A Capital conta com três farmácias que fornecem este medicamentos de forma gratuita. 
Na unidade da Asa Sul e da Ceilândia, por exemplo, faltam cerca de 42 tipos de medicamentos diferentes em cada uma. Já na farmácia do Gama, o estoque estava zerado para 37 produtos. 
Um dos medicamentos em falta é o Adalimumabe Solução Injetável 40mg, usado para tratamentos de vários tipos de artrite. Atualmente, os pacientes que necessitam de tratamento não conseguem o produto em nenhuma das farmácias de alto custo do GDF. Uma ampola do medicamento chega a custar mais de R$ 10 mil. 
Continuar a ler Relacionado ANS suspende venda de 31 planos de saúde Saúde e Educação somam R$385,7 mi em verbas cortadas para custear o diesel Hospitais do DF recebem cargas de soro fisiológico 
Além de remédios custeados pela secretaria de Saúde, as farmácias de alto custo contam com outros 89 tipos de remédios que são repassados pelo governo federal. Desse total, apenas o Filgrastim Solução Injetável 300MCG – usado em pacientes em tratamento de câncer – estava sem estoque na unidade do Gama. 
Em nota, a secretaria de Saúde informou que todos os medicamentos em falta já estão em processo de compra, porém não apresentou prazo para reposição dos estoques. A justificativa é que a solicitação desses remédios é sempre feita com antecedência, mas que, muitas vezes, os pregões não têm candidatos ou as empresas demoram para realizar a entrega. 
No caso específico do Filgrastim, o GDF informou que o Ministério da Saúde deveria ter repassado 308 frascos para as farmácias de alto custo até o final de março, mas não o fez. Por meio de nota, o ministério informou que já fez a compra, e que a empresa contratada agenderá a entrega com a secretaria de Saúde.  

Fonte: (Destak)