Boa alimentação ajuda a ter mais saúde na gravidez

14/05/2018 | 08:35

Alimentos ricos em ferro, cálcio e vitaminas ajudam a fortalecer o corpo da mulher no período gestacional 


Se educação alimentar é um tema que vale para todas as fases da vida, a regra não seria diferente para as mulheres no período gestacional. Nesse período, a atenção com os alimentos que vão ao prato deve ser redobrada, tendo em vista o desenvolvimento do feto ao longo das primeiras semanas e do seu crescimento no decorrer dos meses. Razão para proteínas, carboidratos saudáveis, gorduras boas, cálcio, ferro, ácido fólico e vitamina B12 entrarem com tudo na dieta em prol de uma gravidez saudável. 
Não é à toa que o aumento de peso é algo esperado para a maioria dos casos, mas ele dever ser acompanhado em cada situação, de olho na qualidade com que se ganha os quilos novos. “As necessidades de nutrientes devem ser planejadas individualmente, mas, geralmente, consegue-se fazer uma alimentação adequada seguindo dicas como manter uma boa ingestão de frutas, verduras e legumes, evitar passar muito tempo em jejum e se alimentar a cada três horas, além de criar o hábito de comer lentamente, mastigando bem os alimentos”, sugere a nutricionista Anne Alves. Outra recomendação valiosa diz respeito à ingestão frequente de água. A média é de 35 ml para cada quilo de peso por dia, fracionados nos intervalos das refeições. Sendo assim, uma gestante de 60 kg deve beber cerca 2,1 litros diariamente. 
“Quando for se alimentar fora de casa, sempre opte pelas preparações menos gordurosas, com ingredientes mais saudáveis e também dê preferência aos alimentos assados ou cozidos, em substituição às frituras”, completa a especialista. O sal deve ser consumido com moderação, sem esquecer que os temperos prontos já contêm grande quantidade dele na sua composição. A dica é optar por ervas naturais - aquelas sem contraindicação - como condimento. “E não é necessário comer por dois, apenas faça boas escolhas alimentares e respeite a saciedade”, aponta Alves. 
Desejo de grávida 
A vontade de saciar a fome com um cardápio bem específico, a qualquer hora do dia, gera muitos mitos e polêmicas em torno dos desejos. Segundo os profissionais de saúde, essa situação varia em cada gestação. “Mas existe e pode revelar carência de alguns nutrientes”, diz a nutricionista Ione Regina Ferreira. Outra explicação dá conta de alterações hormonais que afetam diretamente o humor e, consequentemente, a vontade de comer. "Há uma maior sensibilidade e instabilidade emocional e tudo isso pode levar a desejos por alimentos que antes não havia", reforça a especialista. Para a mãe do pequeno Nandinho, Maria Cláudia Albuquerque, nenhum desejo fora de hora apareceu na gestação. Mas seu cardápio seguiu alguns cuidados. “Consumi muita fruta, verdura, legume e evitei pedidas gordurosas, que já são as recomendações de sempre. Também não consumi peixe cru, que eu adoro, por medo de contaminação”, diz ela, que ficou 12 kg acima do peso normal. 
Mais algumas dicas 
Pela nutricionista Anne Alves 
• Restrinja o consumo de manteiga, creme de leite, bacon, salame, mortadela, salsicha e presunto 
• Evite o consumo de refrigerante, mesmo sendo light, diet ou zero 
• Evite o consumo de adoçantes artificiais como aspartame, acesulfame de potássio, sacarina sódica, ciclamato sódico, sucralose 
• Evite o consumo de bebidas alcoólicas e cigarros 
• Evite o consumo de chás, pois a maioria pode não ser benéficá durante a gestação.

Fonte: (Edi Souza - Folha de Pernambuco)