MT: Curso de Gestante reforça a importância do parto normal

10/05/2018 | 08:47

“A Femina foi pioneira na região Centro-Oeste, em 2015, ao integrar o projeto", diz médica 


Mulheres que se preparam para desempenhar o papel de mãe e têm dúvidas sobre o pré-natal, o parto e os primeiros cuidados com o bebê ganharam neste mês de maio uma super ajuda do Hospital e Maternidade Femina. No final de semana, aconteceu o Primeiro curso de Gestante da Femina. 
Segundo a diretora técnica da unidade hospitalar, Fernannda Pigatto, o curso faz parte do Projeto Parto Adequado realizado pela a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), com o Hospital Israelita Albert Einstein e o Institute for Healthcare Improvement (IHI), em parceria com o Ministério da Saúde e visa estimular a realização de partos normais pelo país. 
“A Femina foi pioneira na região Centro-Oeste, em 2015, ao integrar o projeto. No primeiro ano do Parto adequado, a Femina registrou o crescimento da taxa de partos normais de 1,46% do total de partos realizados para 47%”, destacou a médica. 
Além de dicas teóricas, o curso trouxe simulação da prática do cuidado com o recém-nascido. Também foram abordadas as principais dúvidas sobre o pré-natal pela ginecologista Juliana Abrão e os principais tipos de anestesia para os partos normal e cesariano, com enfoque em analgesia (doses baixas dos anestésicos, assim o desconforto é retirado, mas a mulher mantém a mobilidade das pernas), palestra que foi ministrada pela anestesista Vanessa Carloto. 
Vanessa atua há oito anos na Femina e ressaltou que esse tipo de curso auxilia as gestantes, principalmente as de “primeira viagem” a chegarem mais tranquilas à sala do parto. 
“É normal a mulher sentir medo nesta fase, medo da dor, do uso de anestesia, muito mais por não conhecer o procedimento, porém ao serem informadas sobre os tipos de anestesias para parto cesária e normal, elas ficam mais seguras”, avalia. 
A ginecologista e professora do curso de Medicina da UFMT, Juliana Abrão, concorda com a anestesista de que informação confiável dá poder à mulher para que ela tome a melhor decisão. “O Parto Adequado prevê esse empoderamento feminino, ou seja, a gestante munida de informações opta pelo melhor plano de parto”, aponta.

Fonte: (Midia News)