Março Lilás: Conscientização sobre prevenção do câncer de colo de útero

23/03/2018 | 09:23

 

Estudos sobre o câncer de colo do útero associam a doença à infecção pelo Papilomavírus humano, o HPV - doença sexualmente transmissível de maior prevalência no mundo -, e mais comum em mulheres jovens. Para conscientizar a população sobre a doença, a campanha Março Lilás visa à prevenção e o combate ao câncer de colo de útero. Considerado o quarto tipo de câncer mais comum entre mulheres de 45 e 49 anos são esperados cerca de 527 mil novos casos por ano no mundo, de acordo a Sociedade Brasileira de Cancerologia (SBC). 
O responsável pela Cirurgia Oncológica do Hospital do Coração (HCor), Ulysses Ribeiro Jr., alerta que "o câncer de colo de útero pode ser detectado facilmente nos exames preventivos, como o Papanicolaou, por exemplo. Se diagnosticados precocemente são curáveis na quase totalidade dos casos. Por isso é importante a realização periódica de exames", esclarece. 
Caracterizado como um importante problema de saúde pública a evolução da doença, na maioria das vezes, acontece de forma lenta, passando por fases pré-clínicas detectáveis e curáveis. Se diagnosticado precocemente, as chances de cura chegam próximo a 100%. 
De acordo com estimativas do Instituto Nacional de Câncer (Inca), o país deve registrar cerca de 16 mil novos casos de câncer de colo do útero, somente neste ano. Esta incidência é três vezes mais alta do que as registradas nos Estados Unidos e na Austrália. A realização periódica do exame de Papanicolaou vem sendo reconhecido como a estratégia mais efetiva na redução da mortalidade por esse tipo de tumor. 
"Cerca de 90% dos casos de câncer de colo do útero podem ser atribuídos a alguns dos 13 tipos de HPV reconhecidos como oncogênicos. Os subtipos 16 e 18 são os mais comumente detectados e responsáveis por 70% dos casos de câncer", informa o médico. 
No Brasil, a estratégia de prevenção e diagnóstico precoce recomendada pelo Ministério da Saúde abrange a utilização de preservativos, a realização de exames de Papanicolaou, a partir dos 25 anos, e a vacinação contra HPV, a partir dos nove anos de idade. "Para garantir a efetividade do programa de controle de câncer de colo do útero é necessário organização, integralidade e qualidade dos serviços, com indicação para um plano terapêutico mais apropriado para cada caso. Esse método de rastreamento sensível, seguro e de baixo custo, torna possível a detecção de lesões precursoras e o câncer em seu estágio inicial", alerta. 
A campanha nacional de mobilização, coordenada pelo Ministério da Saúde, tem o objetivo de vacinar pelo menos 80% das meninas de nove a 13 anos de idade, público-alvo da campanha, formado por um total de 1,7 milhão de garotas. A partir de 2017, o Ministério da Saúde passou a oferecer gratuitamente a vacina também para meninos na faixa de 12 a 13 anos. 
Segura e recomendada pela Organização Mundial da Saúde, a dose já é utilizada em mais de 100 países. 

Fonte: (Monitor Mercantil)