‘População não vacinada’ é alto risco, diz OMS

23/01/2018 | 08:36

 

Agência teme que as regiões que entraram no mapa de alerta levem a doença ‘a um novo nível de transmissão’. 
O grande número de pessoas não vacinadas contra a febre amarela no Brasil representa um “alto risco” de proliferação maior da doença no País. O alerta é da Organização Mundial da Saúde (OMS), que observa que as novas regiões que passaram a ser áreas de risco contam com população desprotegida, o que poderia levar “a um novo nível de transmissão”. O alerta, emitido ontem aos demais governos no mundo, também destaca que a campanha de vacinação de ampla escala que será realizada para frear a febre amarela em 21 milhões de pessoas representa “desafio significativo”. 
A OMS, que nas últimas semanas mostrou preocupação com a situação no Brasil, diz que, “embora as medidas implementadas pelas autoridades brasileiras tenham contribuído para a ocorrência de menos casos, a quantidade de pessoas ainda não vacinadas que continuam a viver em áreas com ecossistemas favoráveis à transmissão do vírus da febre amarela representa um risco elevado”. 
No comunicado, a agência explica que “atualmente, o Brasil é afetado apenas pela febre amarela silvestre – transmitida pelos mosquitos Haemagogus e Sabethes”. “Até o momento, não há evidência de que o mosquito Aedes aegypti, presente em zonas urbanas, esteja envolvido na transmissão”, indicou. 
Na avaliação da OMS, os casos de contaminações em animais desde julho de 2017 “continuam sendo uma preocupação, especialmente perto de áreas urbanas de grandes cidades, como São Paulo, e em municípios que eram considerados fora da área de risco”. Ao mesmo tempo, a entidade destaca que os casos humanos da febre amarela triplicaram no Brasil. 
Desafio. A grande aposta para os especialistas internacionais é mesmo na vacinação. Mas a entidade não hesita em apontar a dificuldade. “É importante notar que, diante da escala e da dimensão, essa campanha de vacinação em massa provavelmente será caracterizada por desafios logísticos significativos.” 
A preocupação com a operação não ocorre por acaso. O Estado revelou que, desde a semana passada, a OMS pediu a realização de uma reunião por semana com o governo brasileiro para conseguir acompanhar o que está sendo feito no País. Amanhã, o encontro terá como um de seus principais temas a campanha de vacinação. 
Viagens. Ontem, a OMS voltou a recomendar que turistas estrangeiros sejam vacinados antes de visitar São Paulo, principalmente agora nas proximidades do carnaval. Isso, segundo a entidade, ocorre depois da confirmação do registro de um caso de febre amarela em um holandês que esteve em Mairiporã (SP). A agência ainda pede que os governos “disseminem a recomendação” aos viajantes.  

Fonte: (Agência Estado)