MS: Em 15 dias, Corumbá registra um terço dos casos de conjuntivite de 2017

18/01/2018 | 08:40

 

Segundo diretor do pronto-socorro, a doença não é grave, mas deve ser bem tratada para evitar complicações na vista e até cegueira. 
A Secretaria Municipal de Saúde de Corumbá, município na fronteira com a Bolívia, registrou nos primeiros 15 dias do ano 48 casos de conjuntivite. O número representa quase um terço do total de 2017 que teve 170 infectados. 
Esse pequeno surto da doença fez o estoque de soro fisiológico e colírio para os olhos acabar em várias farmácias da cidade. A procura é maior pelos bolivianos. 
“Quatro, de uma vez só na mesma receita, porque está muito forte desde adulto até infantil. Dos Bolivianos, nãos dos corumbaenses”, disse a subgerente de uma farmácia Tatiane Araújo. 
Na residência da dona de casa Nadir Conceição da Silva todo mundo foi infectado. “Primeiro quem pegou foi meu netinho, os outros netos também pegaram, a minha filha também pegou e agora ontem eu peguei. Dói, muita dor”, disse. 
Para evitar a doença, o diretor do pronto-socorro da Santa Casa Emerson Moreira orienta as pessoas a higienizar bem as mãos. 
“A conjuntivite se pega pelas mãos. Se você mantiver uma boa higiene das mãos e evitar ao máximo levar as mãos aos olhos, dificilmente você pega. Basicamente se você lavar as mãos, dificilmente você vai ter conjuntivite”, afirmou. 
Embora não seja uma doença grave, o tratamento médico deve ser seguido para evitar complicações na visão, em alguns casos irreversíveis. 
“É uma doença benigna, aparentemente que estamos vendo é viral, mas se não tiver um acompanhamento médico responsável pode provocar danos na visão. O indivíduo pode perder a visão. Mas de uma maneira geral é uma doença autolimitada que em sete a 10 dias melhora”, explicou o médico.

Fonte: (G1)