Desemprego cresce em 2017, mas deve diminuir em 2018 na AL

20/12/2017 | 08:57

 

O desemprego na América Latina aumentou pelo terceiro ano consecutivo e afeta mais de 26 milhões de pessoas em 2017, de acordo com um novo relatório divulgado nesta segunda-feira pela Organização Internacional do Trabalho (OIT). Apesar desta realidade preocupante, o estudo destaca que há sinais positivos no mercado de trabalho e prevê uma melhora dos indicadores de 2018. 
- O mercado de trabalho da região parece estar em um momento de mudança de ciclo, após um período de deterioração generalizada dos indicadores sociais e de trabalho, mas a melhoria dependerá do cumprimento das previsões de maior crescimento econômico - alertou o diretor-regional da OIT para a América Latina e o Caribe, José Manuel Salazar-Xirinachs. 
O relatório anual "Panorama Laboral da América Latina e Caribe 2017", lançado na sede do Escritório Regional da OIT em Lima, no Peru, destacou que este ano a região apresentou um desempenho misto das principais variáveis ligadas ao mundo do trabalho. 
A taxa média de desemprego na América Latina e no Caribe aumentou de 7,9% em 2016 para 8,4% no final de 2017, um aumento de 0,5 pontos percentuais. O número total de pessoas que procuram um emprego sem sucesso aumentou em dois milhões, para 26,4 milhões de pessoas. 
O relatório da OIT observou, no entanto, que a média foi fortemente influenciada pela situação do Brasil, que concentra cerca de 40% da força de trabalho da região e onde a taxa de desemprego foi de 13,1% no terceiro trimestre de 2017. 
Além disso, embora este ano tenha sido observada uma leve recuperação do crescimento econômico após um período de desaceleração e contração, isso não foi suficientemente forte para mudar a tendência de um mercado de trabalho que "atua com atraso quando há recuperação". 
Já em 2018, quando as últimas previsões indicam que o crescimento econômico médio da região pode chegar a cerca de 2%, "se espera que a recuperação econômica seja mais visível nos mercados de trabalho" e que a taxa de desemprego diminua pela primeira vez depois de três anos, para 8,1%. 
O relatório afirma que já se notou uma melhora na taxa de ocupação no mercado de trabalho no final de 2017, o que permite prever uma evolução positiva para o próximo ano. No entanto, o documento alerta que a melhoria ainda é "leve e frágil". 
Na análise por sub-regiões, o relatório destaca que o desemprego aumentou no Cone Sul, onde a variação interanual para o terceiro trimestre passou de 10,7% para 11,9%. Nos países andinos houve uma redução moderada de 6,9% para 6,8%. Na América Central e no México, a queda foi de 4,5% para 4,0%. Já no Caribe, a redução foi de 7,8% para 7,4%. 
Em 2017, o desemprego aumentou em nove dos 19 países com dados para o terceiro trimestre. Esta também é uma evolução positiva em relação a 2016, quando o aumento foi registrado em 13 países. 
- A principal novidade é que, em geral, podemos ver o fim da deterioração generalizada nos mercados de trabalho registrados nos últimos anos e o início do que será uma nova fase de melhoria, se a aceleração do crescimento esperada para 2018 se materializar - afirmou Salazar. 
No entanto, ele lembrou que o desemprego é apenas a parte mais visível do funcionamento dos mercados de trabalho. 
- Existem outras dimensões do emprego que devem ser abordadas pelos países da região, como a persistente desigualdade de gênero, a falta de emprego para os jovens e as questões relacionadas à qualidade do emprego, que contribuem para perpetuar a informalidade - ressaltou. 
No caso das mulheres, a boa notícia é que, pela primeira vez desde o início da produção anual do Panorama Laboral, a participação das mulheres no mercado de trabalho superou 50%, chegando a 50,2%. Isso significa que mais de 100 milhões de mulheres fazem parte da população economicamente ativa. 
Apesar desta evolução positiva, a desigualdade de gênero é persistente. As taxas de participação e ocupação das mulheres ainda são inferiores às dos homens em mais de 20 pontos percentuais. Por outro lado, a taxa de desemprego das mulheres, de 10,4% no terceiro trimestre, ainda é 1,4 vezes maior que a dos homens. 
- Os mercados de trabalho na região continuam sendo fortemente segregados -, comentou Salazar. 
Por outro lado, a taxa média de desemprego juvenil aumentou de 18,9% para 19,5% em 2017, o que significa que um em cada cinco jovens na força de trabalho não consegue encontrar trabalho. Estima-se que esta situação afeta cerca de 10 milhões de jovens na região. 
Quanto à qualidade dos empregos, o relatório da OIT identificou a persistência de uma fraca geração de postos de trabalho no setor formal e assalariado, enquanto o crescimento do trabalho por conta própria foi maior, geralmente associado a condições de trabalho de menor qualidade e informalidade. 
No caso de empregos por setor, destaca-se o aumento de 1,9% no emprego na indústria manufatureira, normalmente associado a condições formais de trabalho. Em um contexto de crescimento moderado e especialmente devido à menor inflação, em sete dos nove países com informações disponíveis os salários reais no setor formal aumentaram entre o terceiro trimestre de 2016 e o terceiro trimestre de 2017. O aumento foi mais notável no caso dos salários-mínimos reais, com um aumento médio de 4,3% no terceiro trimestre, acima dos 2,3% registrados há um ano. 
Um tema especial incluído neste Panorama Laboral 2017 é a "Evolução dos salários na América Latina e no Caribe de 2005 a 2015". Entre outros dados, a pesquisa destaca que durante esta década os salários reais na América Latina aumentaram 19,8%, ou 1,8% ao ano; em média, o salário-mínimo real aumentou 42% na América Latina; na América Latina, os funcionários públicos representavam 18% do total de assalariados em 2015; o setor privado concentrava 74% dos assalariados, comparado a 8% no trabalho doméstico. 
Além disso, Salazar ressaltou que "embora 1,2% ou 2% de crescimento seja melhor que as taxas de crescimento recentes, esse 'novo normal' é uma má notícia, pois esses níveis de crescimento são insuficientes para reduzir a pobreza rapidamente, satisfazer e financiar as demandas das classes médias e ter impactos verdadeiramente transformadores nos indicadores sociais e de mercados de trabalho". 
Para isso, "os países da região deveriam crescer 5% ou 6%, o que só será alcançado com o enfrentamento das lacunas de baixa produtividade e da falta de desenvolvimento e diversificação produtiva, bem como as questões de educação, formação profissional e infraestrutura". 
- Somente assim poderemos avançar para um crescimento mais sustentado, inclusivo e sustentável com mais e melhores empregos - disse o diretor-regional da OIT. 

Fonte: Monitor Mercantil