EUA: Seguro de saúde para crianças carentes pode acabar

14/12/2017 | 08:09

 

O seguro cobre despesas de saúde das crianças cujas famílias são de baixa renda. Foto: Creative Common. 
Em mais uma das análises de mudanças do sistema de saúde da atual administração está o seguro de saúde infantil Children’s Health Insurance Program – também conhecido como CHIP – que pode estar com os dias contados, tendo em vista que o Congresso não ampliou o financiamento do programa e os estados não conseguirão mantê-lo por muito tempo sem a ajuda federal. 
O prazo era até 30 de setembro para renovar o financiamento do plano de saúde popular criado em 1997, que foi financiado por republicanos e democratas e que atende aproximadamente 9 milhões de crianças americanas. 
O programa custa ao governo cerca de US$ 14 bilhões por ano, mas, em meio aos combates caóticos e partidários em Washington, este ano, eles não entraram em um acordo sobre como financiá-lo. A aprovação do orçamento a curto prazo pelo Congresso pode evitar o encerramento temporário, mas a solução a longo prazo permanece evasiva. 
No Colorado, famílias cujos filhos estão sob algum tratamento ou dependem do programa, começaram a receber cartas de aviso de que o programa de seguro pode terminar, como aconteceu com uma família na semana passada. 
A vida financeira para famílias como essa que pode estar ameaçada caso o Congresso acabe de vez com o programa. “Se o Congresso não renovar o financiamento federal, o CHIP no Colorado terminará em 31 de janeiro de 2018. O Congresso pode aprovar a qualquer momento para renovar o financiamento federal da CHP +, mas não há garantia de que irão fazer” informa a carta. 
O CHIP abrange crianças cujos pais ganham muito dinheiro para ingressarem no Medicaid e muito pouco para pagar pelo seguro privado, uma renda média anual de 60 mil dólares. Um exemplo é a família do americano Adam Richter, que tem a renda de aproximadamente US $ 50 a US $ 60 mil anual como técnico de instalação de baixa tensão, e tem o seguro da empresa que cobre a ele e sua esposa. Mas para as crianças, que fazem tratamento contínuo para diabetes, a família depende do programa. 
Enquanto o Congresso não autoriza a continuidade do programa, os Centros federais de Serviços de Medicare e Medicaid, que administram o seguro, estão utilizando um fundo nacional de redistribuição de parcelas não utilizadas de exercícios anteriores. Simplificando, a agência está gastando cada centavo disponível para manter crianças abrangidas o máximo possível. 
Segundo o próprio Medicaid e a Comissão de Pagamento e Acesso, um ramo legislativo não-partidário que fornece dados ao Congresso, a estimativa é que até julho todos os estados terão esgotado todos os fundos do CHIP. 
A previsão é que 16 estados esgotem seus fundos até o final de janeiro, enquanto outros 20 estados e o Distrito de Columbia informaram que podem durar fevereiro ou março, de acordo com um recente relatório da Kaiser Family Foundation. 
Na Flórida, o programa atende cerca de 400 mil crianças, das quais cerca de 30 mil residem na região central da Flórida. A Florida estima que ficará sem financiamento para operar o programa CHIP do estado, conhecido como KidCare, em janeiro de 2018, a menos que o Congresso atue. 
Os Community Health Centers(CHCs) prestam serviços de saúde a 25 milhões de americanos através de mais de 10.000 centros nacionais. Isso inclui 460 centros na Flórida que atendem a 1,4 milhões de pacientes por ano. Um estudo acadêmico recente estima que o fracasso na renovação do programa CHC poderia comprometer a saúde do paciente e resultar na perda de até 160 mil empregos americanos.

Fonte: Gazeta News