Seis maneiras de evitar a rinite alérgica

Cerca de 40 milhões de brasileiros sofrem de rinite alérgica. Crises aumentam no outono e no inverno

Rinite alérgica é a alergia mais comum no mundo e já afeta 400 milhões de pessoas (ThinkStock/VEJA)

 A queda das temperaturas e o tempo seco, característicos do outono na maior parte do território brasileiro, são um convite às crises de rinite. Nessa estação, sai de casa com um lencinho no bolso um contingente de 40 milhões de brasileiros, o número de pessoas que sofrem de rinite alérgica, de acordo com a Associação Brasileira de Alergia e Imunopatologia (Asbai).

 A rinite é uma reação imunológica causada pelo contato de agentes alérgenos com o revestimento do nariz. Em contato com esses alérgenos, a mucosa do nariz inflama e incha, em um processo acompanhado de sintomas como coceira, espirros, secreção nasal e entupimento do nariz. Há vários tipos de rinite. A vasomotora é uma reação a perfumes e poluição; a irritativa, causada pela poluição e comum em cidades industrais; a medicamentosa, desencadeada pelo mau uso dos medicamentos nasais. No Brasil e no mundo, a forma mais comum é a rinite alérgica, causada pela reação do sistema imunulógico a pó, bolor, pólen, ervas, árvores e animais, principalmente.

 A rinite e o inverno - Alguns fatores explicam o aumento da incidência de crises de rinite no outono e no inverno. "No tempo frio, as pessoas ficam tempo mais em ambientes fechados, facilitando a contaminação. Além disso, roupas guardadas são tiradas do armário, trazendo cheiros fortes e mofo", diz o presidente da associação, o alergista José Carlos Perini. "As vias respiratórias gostam de ar quente, úmido e limpo. O ar frio e poluído e o tempo seco são uma grande agressão a elas", afirma Olavo Mion, professor de otorrinolaringologia da USP.

 De acordo com Mion, muitas pessoas têm rinite e não sabem. "Os sintomas são confundidos com os do resfriado. Pessoas que ficam 'resfriadas' sempre geralmente têm rinite alérgica", diz. Crianças e adolescentes são os mais atingidos pelo problema. "Nos grandes centros urbanos do Brasil, de 26% a 30% dos jovens de 10 a 18 anos têm rinite", afirma Perini.

Tratamento e prevenção

Cada tipo de rinite tem um tratamento específico, por ser causado por um agente diferente. Soros nasais e remédios antialérgicos são os meios comuns para se livrar da doença. Um método eficaz e de longa duração usado atualmente é a imunoterapia. Trata-se de vacinas antialérgicas, que ajudam a tornar o sistema imune tolerante aos fatores desencadeantes das crises. A prevenção mais eficaz, no entanto, é evitar os agentes que causam a alergia.

 

EVITANDO A RINITE

Manter a casa ventilada e limpa

 O desencadeador mais comum da rinite alérgica é o ácaro, um micro-organismo presente na poeira. Deixar o ar circular pela casa e passar pano úmido todos os dias ajudam a eliminar esse agente alérgico, podendo reduzir a incidência de crises durante todo o ano. O uso das vassouras só espalha a poeira e o micro-organismo pela casa, agravando o problema. Já o aspirador, segundo José Carlos Perini, pode ser utilizado quando conta com o filtro Hepa, um acessório que retém as menores partículas de sujeira, ao invés de espalhá-las pela casa.

 

Cobrir camas e sofás

 Pelos de cachorros e gatos são desencadeadores comuns da rinite alérgica. Não deixar os animais subirem em camas e sofás ajuda a evitar o contato dos pelos com as vias respiratórias. Caso seja impossível manter os bichinhos o tempo todo no chão, cubra os móveis com lençóis ou colchas que possam ser removidas e lavadas. A recomendação vale também para pessoas que não têm animais em casa.

 

Lavar roupa com água quente

 Lavar roupas, cortinas, tapetes e edredons com água quente é a forma mais eficiente de se livrar dos fungos e ácaros que estão nas peças. Roupas de frio retiradas do armário devem ser lavadas antes do uso, já que o armazenamento faz com que o ácaro e a poeira se acumulem entre os fios. A recomendação é evitar tapetes.

 

Utilizar climatizador de ar

 O uso de climatizadores ajuda a melhorar a qualidade do ar da casa. Esses aparelhos contam com filtros que retiram pólen e ácaros do ar. Além disso, geralmente contam com função umidificadora, que ajuda a umidificar o ar no ambiente durante os tempos secos.

 

Usar forros impermeáveis no colchão e no travesseiro

 O uso de forros impermeáveis faz com que o ácaro acumulado no colchão e no travesseiro não consiga entrar em contato direto com o nariz. Por serem de tecido, esses forros não atrapalham o sono, já que não são duros e nem fazem barulho.

 

Evitar cheiros fortes

 Perfumes, produtos químicos e fumaça são alguns dos desencadeadores da rinite alérgica. Prefira produtos de limpeza com cheiros suaves, perfumes fracos e shampoos e sabonetes que não irritem tanto o nariz. Fumaça de cigarros, de veículos e de indústrias também causam alergia. Evitá-las ao máximo ajuda na prevenção de crises e, além disso, faz bem para a saúde de todos.

Fonte disponível em: http://veja.abril.com.br/noticia/saude/seis-maneiras-de-evitar-a-rinite-alergica