Epidemia: pesquisa diz que até 2045 um quarto da população mundial será obesa

 

Especialista comenta novo estudo e faz alerta para que problema seja tratado também como uma questão de educação desde a infância; entenda

A obesidade é uma epidemia global. Essa foi a conclusão de uma nova pesquisa apresentada esta semana no Congresso de Obesidade em Viena, Áustria, em 2018. Quase um quarto (22%) das pessoas no mundo serão obesas em 2045 - acima dos 14% em 2017 - e uma em cada oito terá diabetes tipo 2.

Usando um banco de dados da Organização Mundial da Saúde e dividindo a população de cada país em grupos etários, os autores sugerem que para estabilizar a taxa de diabetes global em 10%, as taxas de obesidade devem cair do nível atual de 14% para 10% até 2045. O estudo foi coescrito por pesquisadores da Novo Nordisk Research and Development, Novo Nordisk Health Advocacy, Steno Diabetes Centre, todos na Dinamarca, e University College London, no Reino Unido.

Cada vez mais a obesidade tem se tornado uma preocupação de saúde pública. É uma doença associada a diversas outras morbidades e que diminui a qualidade de vida de grande parte dos indivíduos. O componente genético da obesidade é importante, mas diversos estudos indicam que os fatores ambientais são predominantes no desenvolvimento dessa condição.

Um importante exemplo é o gene FTO. Ele é um dos principais genes associados à obesidade e sobrepeso. Variações nesse gene aumentam o risco de maneira significativa, mas pessoas que possuem essas variações (polimorfismos) praticamente anulam esse risco quando submetidos à atividade física regular e uma dieta adequada, livre de excesso de gorduras saturadas, com proteínas de boa qualidade e muita fibra.

Outro aspecto importante também é a educação. Muitas pessoas não sabem ao certo como se alimentarem da maneira adequada, quais os alimentos que são realmente benéficos para saúde, as quantidades adequadas e até mesmo a composição de macronutrientes indicadas para cada pessoa. Muitas vezes o que se observa são pessoas obesas e desnutridas, pois apesar do sobrepeso, os nutrientes essenciais e importantes para a saúde não estão sendo utilizados e absorvidos da maneira adequada. O excesso de industrializados e a falta de atividade física diária, hoje são as principais barreiras contra a diminuição dos índices de obesidade e sobrepeso.

Para reverter esse quadro, será necessário um esforço conjunto com o objetivo de informar melhor e estimular cada vez mais o esporte e a boa alimentação desde a infância.

 

*As informações e opiniões emitidas neste texto são de inteira responsabilidade do autor, não correspondendo, necessariamente, ao ponto de vista do Globoesporte.com / EuAtleta.com.