Brincadeira séria: 9 verdades e 1 mentira sobre a prevenção de doenças cardíacas

Em 2016, ocorreram 349 mil óbitos por doenças cardiovasculares no Brasil. Por isso, cardiologista lista fatores que contribuem para o aumento desse problema. Confira e comece a mudança agora!

 

Em 2016, ocorreram 349 mil óbitos por doenças cardiovasculares no Brasil, um aumento de 1,39% em relação a 2015. Mesmo sabendo da importância da prevenção e dos fatores de risco que desencadeiam doenças cardiovasculares, algumas pessoas não conseguem aderir a uma rotina e hábitos alimentares mais saudáveis. Dados da Organização Mundial da Saúde (OMS) indicam que, a cada ano, 17,3 milhões de pessoas falecem em todo o mundo de doenças cardiovasculares. A estimativa para 2030 é preocupante, pois o total de óbitos deverá chegar a 23,6 milhões. Confira então, 9 verdades e 1 mentira sobre a prevenção de doenças cardíacas:

+ Simples exercício físico moderado já altera células do coração

 

9 verdades:

1. Etnia
Existem fatores de risco não evitáveis, controláveis ou tratáveis, como a etnia. Certos grupos étnicos têm maior risco para desenvolver doenças cardiovasculares.

2. Hipertensão 
A hipertensão arterial (HA) sozinha é a principal causa de doenças do coração (infarto), dos rins, do AVC (acidente vascular cerebral), de comprometimento das artérias e dos olhos, além de matar mais que o câncer e até mesmo a AIDS.

3. História familiar 
Se familiares próximos, como pais e irmãos, têm ou tiveram problemas do coração, as pessoas têm mais chances de desenvolver as mesmas doenças. Sendo fator de risco não evitável, controlável ou tratável, serve de alerta para os membros da família.

 

4. Idade 
Com o envelhecimento, aumentam os problemas que afetam a saúde do coração e, consequentemente, os riscos de desenvolver doenças também aumentam. Fator de risco não evitável, controlável ou tratável, serve de alerta.

5. Estresse excessivo 
Consequência do ritmo da vida moderna, o estresse é inevitável, e é preciso aprender a conviver porque ele se relaciona ao aumento do risco cardíaco.

+ Atividades físicas mudam tamanho e batimentos do coração

6. Bebida alcoólica 
O consumo excessivo de álcool pode ser danoso à saúde do coração, relacionado à hipertensão, alteração no ritmo do coração e aumento de peso.

 

7. Colesterol elevado 
Elemento importante para vários processos orgânicos, entre eles, a formação das células, a produção de hormônios, de vitamina D e de ácidos que ajudam a digerir as gorduras. O problema é que o ser humano necessita apenas de uma pequena quantidade de colesterol no sangue, produzida quase que totalmente pelo fígado (75%). O excedente se acumula nas paredes das artérias, aumentando os riscos cardiovasculares, como infarto do miocárdio ou acidente vascular cerebral.

8. Sedentarismo
A falta de atividade física é um dos mais importantes fatores de risco para as doenças cardiovasculares. O sedentarismo contribui para o desenvolvimento de hipertensão arterial, obesidade, diabetes, colesterol elevado e outras doenças.

9. Tabagismo 
A maior causa evitável de mortes no mundo é o tabagismo. Os fumantes têm o risco de morte súbita quatro vezes maior do que os não fumantes. O vício do cigarro aumenta o risco de infarto do miocárdio, acidente vascular cerebral e do câncer.

+ Qual será o melhor esporte para quem tem doenças cardíacas?

1 mentira: 
Apenas obesos têm problemas no coração 
A obesidade é um dos fatores que aceleram a aterosclerose coronária, aumenta a chance de o indivíduo desenvolver hipertensão arterial, diabetes e doença cardíaca. Mas as pessoas magras também podem ser afetadas, principalmente se tiverem fatores de risco não controlados.

 

Referência:
SOCESP (Soc de Cardiologia do ESP) gestão Prof. Dr Francisco Fonseca

*As informações e opiniões emitidas neste texto são de inteira responsabilidade do autor, não correspondendo, necessariamente, ao ponto de vista do Globoesporte.com / EuAtleta.com.

 

Fonte: (Por Nabil Ghorayeb, São Paulo)